SREC a marcar gerações  – abril de 2011

Conhecimento do Património
O Maneirismo e o Barroco

A EXPOSIÇÃO

O Maneirismo e o Barroco
Do Movimento Contido à Exuberância dos Volumes

[fotografia da fachada da igreja do Socorro – Barroco]

Para celebrar o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, a Direção Regional dos Assuntos Culturais (DRAC) inaugura, a 18 de abril, a exposição “Conhecimento do Património – O Maneirismo e o Barroco – Do Movimento Contido à Exuberância dos Volumes”, na sala dos arcos do Colégio dos Jesuítas, no Funchal.

Esta iniciativa decorre até 17 de junho e visa evidenciar as potencialidades do património regional como meio privilegiado de desenvolvimento dos conhecimentos adquiridos pelos alunos no sistema educativo. Os temas explorados são o Maneirismo e o Barroco. Abrange uma parte teórica, ligada ao enquadramento das épocas e aos conceitos do Maneirismo e do Barroco, e uma parte prática, na qual os visitantes podem aplicar ambos os estilos artísticos.
 
[caixa a1]
Dia Internacional dos Monumentos e Sítios

O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios foi criado pelo ICOMOS (International Council on Monuments and Sites) a 18 de abril de 1982 e aprovado pela UNESCO no ano seguinte. Esta comemoração tem como objetivo sensibilizar o público para a diversidade e vulnerabilidade do património, bem como para o esforço envolvido na sua proteção e conservação.

[caixa a2]
Conhecimento do património

As novas gerações têm um papel determinante no futuro do património cultural, pois o conhecimento do mesmo, desde criança, amplia a sua valorização e alimenta a vontade da sua salvaguarda pela sociedade. Deste modo, os jovens constituem um público estratégico nas ações de sensibilização desenvolvidas pelos serviços educativos “Património Escola” – da Direção de Serviços do Património Cultural, da DRAC – com vista a promover a salvaguarda do património cultural da Região Autónoma da Madeira.

O PATRIMÓNIO

[fotografia da capela-mor (talha) da igreja do Colégio dos Jesuítas – Maneirista]
[fotografia do altar do Sr. Jesus (imagem de São Lucas) da igreja do Colégio dos Jesuítas – Maneirista]
[fotografia da fachada da igreja de São João Evangelista – Maneirista]
[fotografia da capela do Santíssimo na igreja da Sé – Barroco]
[fotografia do altar-mor de Nossa Senhora da Assunção na igreja da Sé – Barroco]

Património cultural edificado

Nos séculos XVII e XVIII, a sociedade portuguesa, dominada pelo misticismo católico, promoveu a construção e a realização de um património predominantemente religioso. Fruto do contributo das diversas classes sociais, a riqueza presente nos templos maneiristas assomava na decoração maneirista e barroca que os caracterizava. Este património chegou até nós e é um testemunho que à sociedade cumpre salvaguardar.

Autenticidade como característica

A defesa intransigente de um dos principais valores do património cultural edificado, a autenticidade, presente nos elementos construídos, na decoração e no património móvel integrado (tudo parte indissociável da identidade de um imóvel), possibilita a transmissão do conhecimento associado, de modo tangível, aos visitantes de hoje e de amanhã.

Esta característica, exclusiva do património cultural edificado, permite-lhe trazer para a atualidade uma realidade não recriada e, como tal, autêntica do passado – a época, a tipologia, o contexto social e económico em que foi executado –, revivido e apreendido hoje em primeira mão por cada um dos visitantes, que, por essa via, o podem conhecer, compreender e valorizar.

SAIBA MAIS

Conhecimento do Património – O Maneirismo e o Barroco
Do Movimento Contido à Exuberância dos Volumes

A exposição é um dos destaques da agenda cultural de abril, pelo que se sugere a visita ao espaço da DRAC em www.culturede.com.

« Entrevista da diretora de Serviços do Património Cultural, Diva Freitas, para o programa Educando da Secretaria Regional de Educação e Cultura (SREC) na Rádio Jornal da Madeira

Faixa 1
– A exposição
– Os Serviços Educativos

Faixa 2
– O Maneirismo e o Barroco

Faixa 3
– A teoria e a prática
– A igreja do Colégio dos Jesuítas

Faixa 4
– A visita à exposição
– Outras atividades

------------------------------------

Laboratório HTEC
Qualificação Profissional

O CENTRO

Desde o passado mês de março, o Centro de Formação Profissional da Madeira, da Direção Regional de Qualificação Profissional (DRQP), passou a integrar a rede global de centros HTEC. Esta parceria entre instituições de aprendizagem, a Haas Automation e os distribuidores Haas garante apoio no sentido de proporcionar a máxima qualidade na formação CNC (Computer Numeric Control – máquinas de controlo digital por computador). Deste modo, os formandos têm acesso gratuito ao software, e à tecnologia de diversas marcas que se congregaram para certificar essa qualidade.

Em Portugal, existem apenas cinco destes laboratórios oficinais autorizados, como sejam os Centros de Formação Profissional de Portalegre e de Castelo Branco, a Escola Profissional de Vouzela e a Academia ATEC no parque industrial Autoeuropa (Palmela), a que se junta, agora, o da DRQP.

Esta certificação consubstancia a aposta da DRQP na modernização e atualização do seu programa de formação CNC, proporcionando ambientes de aprendizagem de alta tecnologia e elevando os seus padrões de formação CNC para um nível de classe mundial.

O LABORATÓRIO

[imagens diversas do centro de formação HTEC da DRQP]

SAIBA MAIS

Para conhecer o modelo que preside aos centros de formação técnica HTEC no mundo, descarregue este documento (formato PDF).

« A diretora do Centro de Formação Profissional da Madeira, Elda Pedro, e o formador Ivo Góis falaram sobre o laboratório oficinal HTEC para o programa Educando, na Rádio Jornal da Madeira.

[caixa B1]
Faixa 1
– O conceito HTEC
– A vocação da DRQP

Faixa 2
– As propriedades das máquinas
– A produção dos componentes

Faixa 3
– O significado da certificação
– Os contactos de empresas

Faixa 4
– A aposta da DRQP
– O apetrechamento do laboratório
– A oficina tradicional e a nova

Acompanhe toda a atividade da Direção Regional de Qualificação Profissional em www.drqp.gov.pt.

------------------------------------

A SREC convida…

Assista ao 30.º Festival da Canção Infantil da Madeira

30 anos de Educação Artística na Madeira
30 edições do Festival da Canção Infantil da Madeira
30 de abril de 2011

Após trinta anos de Educação Artística na Região Autónoma da Madeira, a trigésima edição do Festival da Canção Infantil da Madeira (FCIM) decorre no dia 30 de abril de 2011, pelas 15h30m.

O auditório do Centro de Congressos da Madeira (Casino) acolhe esta festa da música que congrega, de forma vívida, crianças, pais, professores, autores e espectadores. Este evento é da responsabilidade do Gabinete Coordenador de Educação Artística (GCEA) da Direção Regional de Educação (DRE).

[painel c1]
« Bilhetes + cartaz
Bilhetes à venda na tesouraria do GCEA e na Loja do Cidadão – balcão da SREC
Preço dos bilhetes – 10 euros
As crianças com menos de 3 anos têm entrada gratuita mediante a apresentação de identificação à entrada do evento.
Descarregue aqui o cartaz.
 
[painel c2]
« Entrevista com Virgílio Caldeira
Entrevista com o coordenador da Divisão de Expressões Artísticas do GCEA, Virgílio Caldeira, para o programa Educando, na Rádio Jornal da Madeira

Faixa 1
– Os objetivos do FCIM
Faixa 2
– O coro e o programa
Faixa 3
– O júri e os prémios

Saiba ainda mais sobre o FCIM na área da Educação Artística em www.madeira-edu.pt/dre.

Responda acertadamente e receba um convite duplo para o Festival da Canção Infantil da Madeira!

QUESTÃO

Que canção e que intérprete venceram o 29.º Festival da Canção Infantil da Madeira?

Como participar:
CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO
1. Será entregue um convite duplo à primeira resposta certa recebida no endereço GIIP@madeira-edu.pt.
2. Será entregue um CD áudio do 29.º Festival da Canção Infantil da Madeira 2009 à segunda resposta certa recebida no endereço GIIP@madeira-edu.pt.
3. A mesma pessoa só poderá resp
4. O nome e o telefone de contacto do respondente deverão ser enviados com a resposta.

Login